CT_React_Banner_1800x685_web_para site.jpg

FORMADORES // BIOGRAFIAS

separador.jpg

Adolfo Gutkin

Encenador‌ ‌-‌ ‌(1936,‌ ‌Buenos‌ ‌Aires,‌ ‌cidadão‌ ‌português‌ ‌desde‌ ‌1994).‌ ‌

Iniciou-se‌ ‌como‌ ‌actor‌ ‌no‌ ‌Nuevo‌ ‌Teatro‌ ‌de‌ ‌Buenos‌ ‌Aires.‌ ‌Em‌ ‌1962‌ ‌fixou-se‌ ‌em‌ ‌Cuba,‌ ‌onde‌ ‌fundou‌ ‌uma‌ ‌escola‌ ‌de‌ ‌teatro‌ ‌em‌ ‌Santiago‌ ‌de‌ ‌Cuba‌ ‌e‌ ‌o‌ ‌Conjunto‌ ‌Dramático‌ ‌de‌ ‌Oriente.‌ ‌ Em‌ ‌1969‌ ‌viaja‌ ‌para‌ ‌Lisboa,‌ ‌aceitando‌ ‌o‌ ‌convite‌ ‌para‌ ‌dirigir‌ ‌o‌ ‌Cénico‌ ‌de‌ ‌Direito.‌ ‌Encena‌ ‌ Volpone‌,‌ ‌de‌ ‌Ben‌ ‌Johnson,‌ ‌que‌ ‌obtém‌ ‌o‌ ‌Prémio‌ ‌da‌ ‌Associação‌ ‌Portuguesa‌ ‌de‌ ‌Críticos‌ ‌de‌ ‌ Teatro‌ ‌e‌ ‌o‌ ‌Prémio‌ ‌da‌ ‌Casa‌ ‌da‌ ‌Imprensa,‌ ‌como‌ ‌Melhor‌ ‌Espectáculo‌ ‌do‌ ‌Ano.‌ ‌Regressa‌ ‌a‌ Buenos‌ ‌Aires,‌ ‌mas‌ ‌voltará‌ ‌a‌ ‌Lisboa,‌ ‌onde‌ ‌repõe‌ ‌‌Volpone‌ ‌e‌ ‌estreia‌ ‌‌Melin‌ ‌4‌,‌ ‌também‌ ‌selecionado‌ ‌como‌ ‌Melhor‌ ‌Espetáculo‌ ‌de‌ ‌1970,‌ ‌ano‌ ‌em‌ ‌que‌ ‌é‌ ‌expulso‌ ‌de‌ ‌Portugal‌ ‌e‌ ‌volta‌ ‌a‌ ‌Cuba.‌ ‌Em‌ ‌1978‌ ‌retorna‌ ‌a‌ ‌Portugal,‌ ‌onde‌ ‌dirigiu‌ ‌o‌ ‌Teatro‌ ‌dos‌ ‌Estudantes‌ ‌da‌ ‌Universidade‌ ‌de‌ ‌Coimbra‌ ‌e‌ ‌lecionou‌ ‌cursos‌ ‌de‌ ‌formação‌ ‌de‌ ‌actores‌ ‌na‌ ‌Fundação‌ ‌Calouste‌ ‌Gulbenkian.‌ ‌Em‌ ‌1982‌ ‌fundou‌ ‌o‌ ‌Instituto‌ ‌de‌ ‌Formação,‌ ‌Investigação‌ ‌e‌ ‌Criação‌ ‌Teatral‌ ‌-‌ ‌IFICT,‌ ‌que‌ ‌continua‌ ‌a‌ ‌dirigir.‌ ‌Fundou‌ ‌também‌ ‌o‌ ‌Teatro‌ ‌do‌ ‌Mundo‌ ‌e‌ ‌o‌ ‌Teatro‌ ‌Maizum.‌ 

Catarina Câmara

Licenciou-se em Dança pela Escola Superior de Dança de Lisboa e em Direito pela Faculdade de Direito de Lisboa. Fez a sua formação complementar em dança no Fórum Dança, Centro em Movimento e Centro Coreográfico de Bruxelas (La Raffinerie). Frequentou o mestrado em Teoria da Literatura. Trabalhou pontualmente com outros criadores como Luca Aprea, Félix Lozano e Sara Anjo. Foi coautora dos espetáculos De Duas Uma, Rosa de Papel, Amora e autora do solo A Cabra Sou Eu. Leciona aulas de movimento e composição para atores e bailarinos  (Espaço Sou, Conservatório Nacional de Lisboa, Companhia Nacional de Bailado, Escola Superior de Tecnologias e Artes de Lisboa, Espaço Evoé, Escola Anselmo de Andrade, A Menina dos Meus Olhos, etc.) Fez movimento para teatro e assistências coreográficas. Mais recentemente dedica-se ao estudo e à experimentação na área da psicologia aplicada ao movimento. Fez o curso de Inter-relação Psicopedagógica com Pia Kraemer e o curso em Couselling de Terapia Gestalt pela Sociedade Luso-Portuguesa Gestalt.  É bailarina da Companhia Olga Roriz, Professora da disciplina de Improvisação no curso FOR Dance Theatre e coordenadora de Corpoemcadeia, projeto PARTIS de experimentação e criação em dança, no Estabelecimento Prisional do Linhó.

Luís Moreira

É ator profissional pela ACT, estudou Shakespeare e Teatro Contemporâneo em Guildhall Drama Summer School e licenciou-se em Psicologia pelo ISCTE. Discípulo de Germana Tânger e assistente de Teresa Lima, é professor de voz e leccionou na ACT, Guilherme Cossoul, EPI e ACE. É responsável pela oralidade dos espectáculos do grupo Teatro do Vão desde 2014 e do Teatro Língua desde 2015. Como ator trabalhou com Jorge Silva Melo, Luís Miguel Cintra, António Pires, Marco Martins, Tiago Guedes, Henrique Feist e Beatriz Batarda. Desde 2015, encenou “Menina Else”, de Arthur Schnitzler, e “Invazio ou A Autoridade Mundial em Solidão”, de Martin McDonagh. Encenou, ainda, três espectáculos dum grupo de teatro amador no Teatro da Vilarinha, no Porto, e “A Cidade”, de Gonçalo M. Tavares, com o qual ganhou o Prémio José Boavida, na segunda edição do Festival da Paixão - Guilherme Cossoul. Em cinema, trabalhou com João Maia em “Variações” e com Ara Paiaya na sua primeira produção internacional “Purge of Kingdoms”.

É diretor artístico da companhia Filho do Meio, através da qual levou a cena quatro espetáculos de William Shakespeare, “Noite de Reis” em 2017, “Sonho de Uma Noite de Verão”, em 2018, “Muito Barulho Por Nada”, em 2019 e “Hamlet”, em 2020. 

Paula Freitas

Iniciou a sua carreira teatral em 1976 no TEUC com Adolfo Gutkin no curso de formação de atores da fundação Calouste Gulbenkian. Cruzou-se com nomes como Eva Ruan, José Triana, Ricardo Salvat , Vera Keel, Fura del Baus, Comediants, Escolas como a École Marcel Marceau, École Rue le Blanche,Conservatoire de Bordeaux, Bodego Vitorio Gazman e Conservatórios de Teatro de Espanha. Atriz Profissional em 1981. Fez mais de 30 peças de grupos, TEUC, Os Saltitões, Maizum, Teatro da Costa e IFICT. Dirigiu e concebeu animações, performances, espetáculos; Orienta cursos e estágios de expressão dramática para escolas de teatro, universidades, empresas, câmaras municipais e diversas entidades em Portugal e na UE. Participou em festivais internacionais de teatro. Em 1987, integrou o corpo docente do IFICT como professora de expressão dramática e movimento. É diretora pedagógica e da direção do IFICT. Muitos dos seus ex alunos são reconhecidos como grandes profissionais do teatro.

Mariana Tengner Barros

Coreógrafa, bailarina, performer. O seu trabalho tem sido apresentado em diversos países na Europa e América do Sul, salientando “The Trap” (2011, Vencedor do Prémio do Público Jardin D’Europe- Áustria), “A Power Ballad” (2013) e “Resurrection” (2017) co-criações com o coreógrafo Mark Tompkins e “Instructions for the gods: i4gods” (2017), uma performance contínua de 5 h para museus em colaboração com o músico Pan.demi.CK. Colaborou com vários artistas em diferentes projectos enquanto bailarina, actriz e performer salientando Francisco Camacho, Meg Stuart, John Romão, Ballet Contemporâneo do Norte, Diana Bastos Niepce, Elizabete Francisca, Nuno Miguel, António Mv, Jonny Kadaver, Agnieszka Dmochowska, Raquel Castro, Retina Dance Company e Rafael Alvarez.

Licenciada em dança pela Northern School of Contemporary Dance em Leeds, Inglaterra (2003). Estagiou no Ballet Theatre Munich, sob a direcção artística de Philip Taylor em Munique (2004). Membro fundador do colectivo artístico The Resistance Movement em Leeds (2005). Completou o Programa de Estudo e Criação Coreográfica-PEPCC no Fórum Dança em Lisboa (2009). Foi artista associada da EIRA entre 2013 e 2016. É directora artística d'A BELA Associação. Integra a banda Kundalini XS e o projecto musical performativo Digital Pimp Hard at Work, ambos editados pela Gruta. Em 2016 recebeu o Galardão de Mérito Municipal Cultural pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão pelo seu percurso profissional. 

CT_React_Cartaz_1200x1800_web_footer.jpg
 
 
 
 
 
  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black Youtube Icon